Com eles, Viagens, Virei mãe

Dois dias em Ottawa com criança

Só de pesquisar sobre Ottawa para fazer este post, deu saudade da nossa última visita à capital do Canadá. Foi neste ano mesmo, num final de semana, em setembro, finalzinho do verão, aqui. Queríamos ver o Sound and Light Show – Northern Lights, festival de áudio e projeções de luzes que conta a história da formação do país, tendo como pano de fundo o prédio principal do Parlamento. Maravilhoso e, este ano, ainda mais especial, em comemoração aos 150 anos do Canadá como nação.

Fiquei sabendo do evento um pouco antes da temporada terminar. Desesperada, enfiei a família no carro e Ottawa, aqui fomos nós. Pegamos o último dia da apresentação, 17 de setembro.

Agora, descubro que o tema (Canadá 150 anos) vem sendo apresentado desde 2015, e continuará até o verão de 2019…Bom para quem não viu!

A Peace Tower, torre principal do prédio central do Parlamento canadense, toda iluminada pelo show de luzes que conta a estória da nação

Mas será que vale a pena ir para Ottawa com criança?

Um redondo SIM como resposta. Ottawa é magnífica para passear com os pequenos. Tem história, tem hotel que parece castelo, tem o suntuoso conjunto de prédios que perfazem o Parlamento canadense (onde o bonitão do primeiro-ministro Justin Trudeau trabalha), tem museus com atrações para a criançada, tem o ByWard Market, mercado ao ar livre para comer bobeiras e comprar quinquilharias (o mais antigo do país, fundado em 1826). E o melhor: é tudo pertinho. O centro de Ottawa é um ovo, dá para explorá-lo a pé, tranquilamente. Não esqueça o carrinho de bebê, vai ser uma mão na roda!

Nós já havíamos visitado Ottawa outras vezes, mas esta foi a primeira vez que fomos com a Alicia, por isso resolvemos manter uma agenda enxuta, incluindo mais lugares para comer do que atrações turísticas.

Fomos de carro, saindo de Toronto por volta das 7 da manhã. Pegamos a rodovia Trans-Canada por ser mais cênica do que a 401 (mas voltamos por esta, por ser mais rápida), passando por cidadelas pacatas, onde parece que a vendinha da esquina é o ponto mais agitado do lugar.

Chegamos em Ottawa já passava do meio-dia, mais ou menos umas 5 horas de viagem, contando a parada para um café numa das lojas da franquia mais popular do país, Tim Hortons.

Havíamos reservado o hotel Novotel Ottawa que tem uma excelente localização, em frente ao shopping CF Rideau Centre mas, fora isso, e o restaurante anexo, que decepção de lugar! Acredito que o hotel tenha uma ala antiga e outra mais moderninha, porque as fotos que eu vi no site Booking.com não condizem em nada com o que vimos: nem com o quarto que nos foi nos dado, nem com os outros três que eles nos deixaram ver, para trocar, porque me recusei a ficar no primeiro. Carpete sujo, cheiro de cigarro (apesar do hotel dizer que é proibido fumar na propriedade), móveis que já viram dias melhores.

Não costumo falar mal de lugares que visito, mas este não dá para deixar passar, principalmente porque estamos falando em nos hospedar com crianças.

Primeiro quarto que nos foi dado na chegada do Novotel Ottawa. Um pouco diferente do que vimos no Booking.com…

Dos quatro quartos que visitamos, acabamos optando pelo “menos ruinzinho”, porque já havíamos pago a estadia e a cidade estava lotada. Neste, o box do chuveiro havia sido adaptado para cadeirantes, todo aberto, mas sem nenhum sistema de prevenção para que a água não jorrasse banheiro afora durante o banho. Conclusão: enchente a cada chuveirada e dá-lhe sair correndo para pedir toalhas extras para estancar a água que rolava solta quarto adentro. Foi rir para não chorar. Ao final, porque eu reclamei, eles me deram o estacionamento de graça e mais um desconto nas diárias.

Banheiro que acabou virando uma piscina, de tanta água que rolava do box!
Escrivaninha do quarto, descascada, precisando de amor!

Como mencionei, o hotel fica do outro lado da rua do maior shopping de Ottawa, o CF Rideau Centre, com boas lojas e o restaurante da rede Joey, que também tem em Toronto e a gente adora. Ele é espaçoso, dá para levar carrinho de bebê sem problema. Não tem cardápio infantil mas eles são super flexíveis, adaptando qualquer item do cardápio para a criançada. Para a Alicia, eu geralmente peço bife com fritas e uma porção de ervilha no vapor ou legumes crus, tipo pepino e cenoura, que ela adora.

A Alicia, se sentindo em casa, na recepção do restaurante Joey, velho conhecido nosso, de Toronto.

Depois do almoço, fomos para o quarto e capotamos por uma horinha, cansados da viagem. Na hora do jantar, fomos a pé para o restaurante Town, nosso preferido na cidade. O conhecemos em 2012 (sem Alicia) e, desde então, sempre sonhamos com a polenta (eu) e um tal de frango no vapor (meu marido) que eles fazem. Para a minha alegria, a polenta continua no cardápio mas o frango, não. Como sempre, adoramos tudo o que comemos e ficamos tristes por não podermos comer mais por ainda estarmos fartos pelo almoço.

Restaurante Town, em Ottawa. Apertadinho, lotado, mas uma delícia! Estando na cidade, tem que ir nele.

Do hotel para o restaurante, foram exatos dez minutos de caminhada, passando pelo miolinho do centro e pelo famoso hostel, Ottawa Jail. No prédio que ele ocupa funcionou, entre 1862 a 1972, a Old Carleton County Jail, uma das prisões mais cruéis da história do Canadá, com enforcamentos públicos executados ali mesmo, nos fundos da prisão. A rede Hostelling International, atual dona da propriedade, ainda conserva grande parte de suas instalações intactas, reservando uma ala para visitas guiadas.

Uma das laterais do hostel Ottawa Jail, e a Alicia adorando brincar de “resgatar a princesa”!

Meu marido ficou enchendo a paciência da Alicia a viagem toda, dizendo que ali morava uma princesa e que teríamos que ir lá resgatá-la e, claro, ela encasquetou com a tal da prisão. Passamor por lá, mas evidente que não fizemos o tour (só para maiores de 17 anos); já o havíamos feito em 2012 e eu não iria fazer isso com a minha filha de três anos, vamos combinar? Eles nem nos deixaram passar da recepção, por motivo de segurança aos hóspedes do hostel. Demos uma voltinha nos fundos do prédio, brincamos de descobrir passagens secretas do lado de fora e ela ficou satisfeita.

Para quem gosta de passeios do gênero, eu super recomendo a visita guiada, feita pelo pessoal do Haunted Walk. Eu fiquei impressionada com o que vi, saí bem triste de lá. Não sei agora, mas em 2012, eles ainda tinham uma corda pendurada no lugar onde eram realizados os enforcamentos. Sei lá, chocou.

Voltando ao jantar, saímos do Town quase rolando, de tanto que comemos. O bom é que caminha-se muito em Ottawa. Do restaurante até o Parlamento foram mais uns vinte minutos andando, sem pressa, parando para fotos e para ver o movimento da rua Elgin Street, a mais agitada da cidade, cheia de barzinhos, restôs e pubs. A noite estava linda e o povo todo nas ruas, tudo muito tranquilo, bonito de se ver.

Pub lotado e a gente passando com carrinho de bebê. Que vontade deu de entrar!

Parada para observar o que mesmo…?

Sound and Light Show – Northern Lights

Assistimos o espetáculo Sound and Light Show – Northern Lights do espaçoso gramado à frente do Parlamento, sentados no chão, estilo piquenique. Nós e mais uma multidão quieta, discreta e organizada (a única causando era mesmo a minha filha, que dançava para lá e para cá, achando que estava num repeteco do The Big Feastival).

O pessoal sentado no gramado do Parlamento, à espera do show e eu, tentando não cair da foto, tirada pela Alicia!
A mil, correndo no jardim do Parlamento!

O show de áudio e luzes é projetado diretamente no prédio central do Parliament Hill, constituído de três prédios em estilo neogótico, de 1859, sede do governo e principal atração turística da cidade.

Fiquei com receio de que ela não aguentasse assistir todo o espetáculo, que dura meia hora, mas que nada. Ele é mesmo encantador, para crianças e adultos, feito em forma de filme de animação, com efeitos espetaculares, e áudio nas duas línguas oficiais do país: inglês e francês.

De lá, ainda fomos dar uma volta dentro do hotel Château Fairmont Laurier (na verdade, usar o banheiro do lobby) e passamos no mercado Metro para comprar umas comidinhas para a Alicia que, claro, não tocou em nada durante o jantar. Não gastamos nem meia hora entre uma coisa e outra porque, como eu disse, fica tudo numa reta só.

No mercado, compramos cereal, leite, queijo, pão e bandejas de frutas e legumes. Terminamos a noite fazendo uma farofa no quarto xexelento!

No domingo, experimentamos o brunch do hotel Château Fairmont Laurier. A CAD$ 44 por pessoa (mais imposto de 13% e gorjeta, normalmente no mesmo valor do imposto), deixou a desejar no quesito variedade. O que salvou foi o serviço impecável: a senhora que estava nos atendendo percebeu que a Alicia não estava comendo nada e veio perguntar qual seu prato favorito, que ela providenciaria, sem problema algum. Fritas, mac’n cheese (pasta com molho de queijo, típica para crianças, por aqui), era só dizer.

Antes de partir, fomos dar uma explorada pelo Parliament Hill novamente, agora sob a luz do dia. Passamos pelo Rideau Canal, que fica entre o parlamento e o hotel. O canal, nomeado em 2007 como patrimônio da UNESCO, foi construído no século 19, para proteger a cidade de eventuais invasões, em caso de guerra, também para facilitar o transporte marítimo entre as províncias. No inverno, ele congela e se transforma na maior pista de patinação de gelo do mundo, com 8 quilômetros de extensão.

O Canal Rideau, congelado, virando pista de patinação. Foto: Ottawa Tourism

Atrás do Parlamento, tem-se uma vista magnífica do canal e da cidade vizinha Gatineau, já parte da província de Quebec, do outro lado do canal. É lá também que fica o não menos magnífico Canadian Museum of History (antigo Museum of Civilization). Acessível de carro, saindo de Ottawa, pela ponte Alexandra, vale pelo acervo em si (com uma ala dedicada somente para as crianças, o Children’s Museum, além do maior acervo permanente de toténs do mundo e da gigantesca tela do seu cinema IMAX), também pela vista que se tem de Ottawa.

Vista da cidade, atrás do Parlamento
O Parlamento e o hotel Château Fairmont Laurier (à esq.), vistos do passeio do Canadian Museum History.

Depois do passeio sem pressa pelo Parlamento, voltamos para o hotel para buscar o carro e tomar um lanche no restaurante The Albions Rooms, que é interligado ao hotel, com umas mesinhas e sofás lembrando uma sala de estar. Fizemos farofada básica com o que sobrou das compras, mas os garçons não se importaram muito e ainda nos deram uma tigelinha e colher para o cereal da Alicia (tomamos uma cerveja e café para não ficar chato, lógico).

Os sofás do restaurante The Albions Room, conectado com o hotel Novotel Ottawa. Ótimo para um happy hour ou uma parada antes de enfrentar a estrada

O restaurante vai muito além do que se vê no lobby, continuando em um grande casarão de janelas amplas. Visto do lado de fora, está mais para um hotel butique do que um lugar para comer. Uma pena, porque passamos por ele várias vezes, mas não paramos por este motivo. Por dentro, ele parece ser bem interessante. Quem sabe da próxima vez.

De volta para casa, chegamos em Toronto quase dez da noite, cansados mas felizes pelo bate-volta de última hora à capital do país.

Ottawa no verão

Quem estiver em visita a Toronto, Montreal ou imediações, não deve deixar de incluir Ottawa no roteiro. Vale muito a pena. Dois dias são suficientes para conhecer a cidade por cima. Sem criança, eu diria que dá para conhecer o Parlamento (entrar nele, que tem visita guiada) e ver a Troca da Guarda (que acontece entre julho a agosto), o Canal Rideau, o Byward Market e pegar um pub à noite, na Elgin Street. No outro dia, passe no hostel Ottawa Jail, faça a visita guiada, se for do seu estilo, e siga para o outro lado do canal, na cidade de Gatineau, para ver Ottawa por um outro ângulo, e também o Canadian Museum of History. Se não, escolha entre os outros museus da cidade, uma dezena deles.

Já com criança, o negócio é começar pelo principal – Parlamento – e ir vendo o que conseguir, entre uma troca de fralda, uma ida ao banheiro, uma parada para comer e por aí vai. De qualquer maneira, você irá se divertir.

Ottawa no inverno

Para quem se interessou em conhecer o Canal Rideau durante o inverno, confira o site da secretaria de turismo da cidade para saber mais sobre o Winterlude, festival de inverno que acontece durante três semanas em fevereiro, com o Snowflake Kingdom, um parquinho enorme, feito todo de gelo, incluindo tobogãs para adultos e crianças.

O evento já está no nosso calendário de aventuras para 2018!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8 Comments

  1. Que charme de cidade e de evento. Adoro quando aproveitam os edifícios históricos dessa forma. Um dia ainda vou conhecer esse país maravilhoso (para além de fã do lugar, também sou fã do primeiro-ministro).
    Excelente post

    1. Alessandra Cayley

      Obrigada pelo comentário, Ruthia! O Canadá é lindo, vale uma visita e, atualmente, acho que estamos com o primeiro-ministro mais gato do mundo mesmo! 😉

  2. Sem dúvida, uma linda cidade! Adoro cidades com grandes praças e áreas verdes para o lazer.

    1. Alessandra Cayley

      Oi, Jair, Ottawa tem muito disso tudo e ainda o charme de ser a capital do país.

  3. Gostei muito de saber que é um destino legal para viajar com filhos. Viajo com duas meninas e é importante que elas curtam a viagem.

    1. Alessandra Cayley

      É, sim, Luciana, tenho absoluta certeza de que suas filhas vão amar. Vou ter mais um post sobre Ottawa durante o inverno saindo este mês, acompanhe, você vai gostar, é bem focado para crianças.

  4. O Canadá é um país que queremos muito visitar e seu post reforçou ainda mais essa vontade. Ottawa me pareceu um ótimo destino com opções também para quem viaja em família, pena que o hotel não correspondeu às expectativas.

    1. Alessandra Cayley

      Oi, Fabíola, que bom que gostou. Ottawa é um ótimo exemplo de cidade canadense, pode colocar no seu bucket list! Eu voltei para lá mês passado e, desta vez, o hotel que escolhemos foi bárbaro! Post fresquinho sobre a experiência chegando, aguarde! 😉

Leave a Reply

Required fields are marked*