Com eles, Primeira vez, Testamos (e Aprovamos?), Toronto, Viagens & saidinhas

Toronto: bonita e agora, Happy Place!

Tem gente que acha Toronto o lugar mais bonito do mundo. Agora, também é o mais feliz! A cidade é a primeira parada internacional da instalação de arte Happy Place.

Tudo começou em Los Angeles, quando seu idealizador, Jared Paul, achou que o mundo, do jeito que está, não parecia um lugar tão feliz assim para seus três filhos. Daí, resolveu criar a versão de felicidade dele: uma instalação de quase dois mil metros quadrados, dividida em 10 salas temáticas, onde tudo é gigante, colorido, tentador de mexer, comer e convidativo à exploração, ou seja, tudo que criança adora!

A amostra abre para o público amanhã, dia 31, mas fomos checar a prévia para imprensa na noite de ontem e olha só o que vimos por lá e aprontamos!

Ok, hoje vale foto boba… 😉

Já na entrada somos recepcionados por um par de sapatos stiletto gigante, decorado com milhões de M&M’s. Acho que Paul sabia que daria vontade em todo mundo de morder os sapatos para saber se os M&M’s são de verdade mesmo porque, muito sabiamente, ele tratou de instalar um balcão oferecendo copinhos cheios deles (com carinhas felizes), logo ao lado!

Amarelos e feitos de M&M’s ? Meu número!
“Pegue quantos você quiser”, diz a mocinha oferecendo copinhos com M&M’s de carinhas felizes. Acho que a Alicia achou que havia acabado de adentrar no paraíso!

Aliás, doce ali é o que não falta, acho que para aguentarmos o tranco porque é muita coisa para ver, tocar e brincar.

A sala que mais gostamos foi a Flowers Room, enfeitada com 15 mil flores em tons laranja e amarelo, dispostas numa espécie de jardim suspenso, com escadinhas para “entrarmos” no jardim, por baixo. A Alicia adorou brincar de gato e rato com a mãe. Voltou para esta instalação duas vezes, com certeza foi a que mais gostou. Eu também, adoro amarelo!

Tão bom ver a carinha maravilhada de uma criança, né? O feio fica bonito e o bonito, espetacular…

Brincando de esconde-esconde no jardim suspenso do Happy Place. Mais “happy”, impossível!

Um dos destaques da exibição é o espaço Yellow Bathtub Cubby, com as paredes forradas de patinhos de banho e uma banheira amarela linda. Ali, tinha fila para tirar foto, e as montagens que eu vi na Internet ficaram lindas. Adoraria ter feito uma à altura mas, sozinha com uma criança de quatro anos a tiracolo? No way. Até que eu tive ajuda de bons samaritanos para tirar uma fotinha de nós duas juntas, mas só para recordação mesmo!

Queria que a minha produção saísse mais ou menos assim. Porém…                                                (foto: Happy Place IG)
…a gente até tentou, mas isso foi o máximo que conseguimos!

Outra sala que gerou filas foi a X&O’s Room, com um “XO” (abreviação para beijo e abraço, em inglês) espelhado gigante, sofás em forma de lábios e decoração em vermelho. A mulherada, de todas as idades, se encantou, incluindo uma bebezinha de 1 ano e meio e minha filha, claro! Foi uma briga para tirar as duas dali!

“Espelho, espelho meu, existe uma bebê mais linda do que eu?”
Encantada por mim mesma e não nego!
Tinha sempre uma pessoa na fila disposta a tirar uma foto pra gente. Ainda bem!

E como todo lugar feliz que se preze tem que ter um arco-íris pra chamar de seu, aqui, no Happy Place, ele não podia faltar: com seis metros de altura, em par, com uma grande piscina de bolinha no meio. Pergunta se a gente não encarou uma filona para dar um mergulho? Um, não: dois!

“Mamãe, vou pular…”
“Pulei!”
“E adorei!”

A sala do arco-íris é a última da exibição e a que tem o tal do domo cheio de confete dentro, aparentemente, o maior do mundo. Uma espécie de estufa com milhares de papeizinhos coloridos que começam a voar quando o sistema de ventilação do lugar é acionado. E sempre rolando uma musiquinha feliz, o que faz a gente querer dançar e dançar e dançar e não sair dali nunca mais!

O tal do domo cheio de confete. Vazio, porque o lugar já estava fechando
Enquanto os adultos se preocupavam em sair bem nas selfies, as crianças só se preocupavam em serem crianças…

No segundo andar, fica o café com quitutes que não seriam aprovados no cardápio de nenhuma mãe, mas que ali, come on, está liberado, né? Cookies e mais cookies, com carinhas felizes coloridas à base de quilos de açúcar, sanduíches grelhados com queijo multicolorido, potes e potes de balas. Paraíso das crianças e dos dentistas!

Sala de cookies gigante para fotos, com degustação de cookies de verdade e mais cookies na cafeteria. Pelamor!
Foto: Happy Place – Divulgação

Há, também, uma vendinha de limonada, clássico norte-americano, que terá sua arrecadação doada para uma entidade filantrópica de Toronto.

Depois de tanto doce, pula-pula, esconde-esconde e mergulhos, nada melhor do que uma limonada gelada e fresquinha!

Ainda neste andar, fechando a amostra, uma instalação simpática de uma canoa, obra de um artista local, e um estande para fotos, tirada por computador e enviada para sua rede social ou endereço de e-mail. A nossa ficou assim:

Em resumo, gostamos de tudo e recomendamos, mas o que eu mais gostei mesmo foi minha filha virar para mim e mandar: “Mommy, I love being with you” (“Mamãe, eu amo estar com você”). Detalhe: isso foi antes de entrarmos na exibição. Meu Happy Place começou aí.

Felizes da vida…

Conselhos e pitacos, se assim me permite:

  • Vale a pena levar criança? Sim, de qualquer idade, com tanto que já esteja andando, senão nem você nem a criança irão se divertir;
  • Carrinho de bebê? Não é permitido;
  • Não vá de barriga vazia, para não enchê-la de tranqueira, mas relaxe e deixe seu pequeno (e você também, por que não?) dar uma abusadinha nos doces, só hoje, vai? Afinal, vocês estão no Happy Place (não me certifiquei com os organizadores se calorias adquiridas ali não contam, sorry!);
  • Coloque meias sem furos: é preciso tirar os sapatos para entrar na piscina de bolinhas!
  • O lugar é quente, não precisa se encher de blusa;
  • O banheiro é equipado com trocador de fraldas;
  • Se puder, visite a exibição nos horários de menos pico, tipo: segunda-feira de manhã. E deixe passar uns dias depois da abertura. Apesar de o  espaço ser grande, eu imagino que haverá um fluxo intenso de visitantes nos primeiros dias, o que quer dizer mais filas e menos tempo para curtir cada instalação. Sem contar que nos dias da semana o preço do ingresso é menor do que nos finais de semana (C$ 35 e C$ 42, respectivamente).
  • Sim, é caro, mas crianças de até 4 anos não pagam ingresso. Se vale a pena? Difícil dizer, mas vá sabendo que o lugar não é um parquinho, mas uma instalação de arte, e é complicado colocar preço em experiências assim. A Alicia se divertiu horrores; foram quase duas horas só para nós duas, tirando fotos bobas, entrando e saindo de sapatos e cookies gigantes, coisa que a gente não faz todos os dias…
  • Resolvendo conhecer a instalação, deixe sua criança interior guiar a visita e seja feliz!

HAPPY PLACE

1 de novembro de 2018 a 1 de janeiro de 2019

Harbourfront Place – 245 Queens Quays West

Visitas agendadas pelo website: www.happyplace.me

Ingressos: Segundas, quartas e quintas-feiras: C$ 35; Sextas, sábados e domingos: C$ 42. Crianças de até 4 anos de idade não pagam para entrar.

Das 11h às 20h.

 

 

Fotos: Alessandra Cayley

2 Comments

  1. Nossa imagino como a Alicia deve ter se divertido. Passeio gostoso, só vocês duas, com muitas risadas, cookies e confetes.
    Beijos

    1. Alessandra Cayley

      Foi mesmo, viu, Livi! A exibição cumpre o que promete: saímos de lá felizes da vida (e high em açúcar!) bjao!

Leave a Reply

Required fields are marked*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.